12
jan

Estamos estranhos, cada vez mais

Estamos estranhos. Cada vez mais. Imersos na dinâmica de inúmeras derivações prefixais, seguimos indispostos à consciência. Desvivendo, desumanos, desregrados, despreparados, desleais. Des à frente de valores fundamentais, des à frente de verbos essenciais à maturidade humana. Enquanto o outro nos fala, digitamos um texto a alguém que está distante. E... Leia +
30
abr

O inacabado que há em mim

Eu me experimento inacabado. Da obra, o rascunho. Do gesto, o que não termina. Sou como o rio em processo de vir a ser. A confluência de outras águas e o encontro com filhos de outras nascentes o tornam outro. O rio é a mistura de pequenos encontros. Eu sou... Leia +