A capacidade de fazer-se um elogio

Publicado por: trinityweb, em 11 jan 2019

Eu sei que nós não estamos acostumados a fazer-se elogios. Quando foi a última vez que você se olhou no espelho e fez um elogio por uma conquista que você fez ou viveu, por ser quem você é pela história, pela soma de tudo, defeitos, qualidades, fracassos, vitórias. Quando foi a última vez que você ofereceu o conforto de se elogiar?

De vez em quando eu tenho o hábito de olhar para mim e apontar todos os defeitos que eu conheço, mas não tenho muito o hábito de reconhecer o que é bom e o que já está bonito. E como sou uma pessoa pública esbarro o tempo todo com elogios de pessoas que me admiram e sinto ás vezes que fico incomodado. Quando você está com alguém que te elogia demais você impede o assunto, mas não estou falando dos elogios que vem de fora, esse é bom receber, na medida certa, quando as pessoas não te idealizam, quando elas estão elogiando aquilo que você sabe que é verdade. Porque é muito desconfortável quando o outro elogia algo que não é verdadeiro em você, que ela imaginou que fosse, que é fruto da cabeça dela e não da sua realidade.

Mas quando você identifica em si mesmo essa capacidade de fazer-se um elogio é muito bom. E eu digo isso porque é tão necessário e isso é um fruto da certeza do amor de Deus por nós, porque eu tenho pensado muito no processo humano enquanto um processo que Deus vai trabalhando dentro de nós, essa feliz oportunidade para acreditarmos nele, porque a fé em Deus é um fruto, um desdobramento natural da fé natural que vivemos no nosso dia a dia com pessoas que estão ao nosso redor. Porque fé em um primeiro momento é a confiança. E depois vamos evoluindo nessa confiança até o momento em que somos apresentados a Deus e você naturalmente vai associar o verbo confiar com tudo aquilo que você já aprendeu humanamente. Você vai entender o significado da confiança em Deus a partir do que você aprendeu do significado da confiança nas pessoas. Talvez seja por isso que fica tão difícil quando a pessoa não teve a experiência da confiança humana que foi muito desamparada quando criança.

Eu tenho muito respeito por quem não crê em Deus porque é muito fácil ficar “vomitando” nossas regras e nossa religião em cima de pessoas que têm dificuldade de acreditar, porque desconhecemos a história dela. Às vezes, humanamente, foram tão fragilizadas por não ter a experiência da confiança que cresceram desacreditadas e inseguras. Porque quando não há confiança no outro devido à questões muito traumáticas, depois o crer em Deus se torna muito difícil para essas pessoas, então tenho um profundo respeito. Por isso, devemos ter um interesse pela história das pessoas para poder entender melhor o outro.